Toca Rufar - Projecto de Percussão | Construção de nova sede

Toca Rufar - Projecto de Percussão

Construção de nova sede


A Aldeia do Bombo

 

O Projecto Tocá Rufar

Enquadramento

 

Fundado em 1996, o Tocá Rufar tem-se afirmado desde então, e cada vez mais, como um projecto modelo de formação artística e cultural para a afirmação e promoção da percussão tradicional portuguesa. Na sua génese encontra-se a missão inabalável de afirmar a cultura portuguesa e, em particular, a percussão tradicional, tornando-a acessível a todos os indivíduos, que trata como seres auspiciosos, promovendo o respeito pelo próximo e uma cidadania consciente e participada.

 

A partir da sua participação na Expo'98, que marcou o início deste percurso, o Tocá Rufar constituiu-se em 1999 como associação ADAT – Associação dos Amigos do Tocá Rufar, tendo extravasado o seu propósito inicial na medida em que responde actualmente pelo maior projecto de formação de percussão tradicional portuguesa. Prova dessa dimensão são as mais diversas distinções de que tem sido objecto e que reforçam o seu valor: Estatuto de Projecto de Interesse Cultural, pelo Ministério da Cultura; prémio de Qualidade pelo Programa Educativo Nacional em 2001; representação de Portugal na Conferência Mundial de Educação Artística em 2006; integração no Projecto Reinserção pela Arte, projecto piloto de natureza experimental, promovido pela Gulbenkian em colaboração com a Direcção-Geral de Reinserção Social, entre 2006 e 2008; Prémio Educação pela Arte da Cultura e Bombo Portuguesa, em 2009; entre outras.

 

Assumindo-se como um projecto de inegável valor educativo, social e cultural, o Tocá Rufar é fundador de um modelo de intervenção socio-cultural e de modelos e práticas culturais alternativos, com uma forte vocação para um ensino e formação baseados na excelência técnica e cultural e no desenvolvimento pessoal e social das pessoas que envolve. 

 

É nestes valores e princípios que reside a singularidade deste projecto e a sua visão de elevar o instrumento bombo a ícone da identidade portuguesa, desenvolvendo uma prática artística de excelência e inovação capazes de exportar a imagem de um Portugal moderno e criativo, possuidor de uma sólida identidade cultural. Os bombos Tocár Rufar são aliás os estandartes deste projecto e já foram ouvidos tanto em Portugal como no estrangeiro em países como a Alemanha, Brasil, Coreia do Sul, Espanha, EUA, Japão, Macau ou Reino Unido.

 

Mais do que ser um projecto inovador, o Tocá Rufar veio inaugurar um modelo de ensino único em Portugal, colmatando uma clara deficiência do ensino formal de música ao nível dos instrumentos tradicionais portugueses e instituindo uma formação com um elevado nível técnico e cultural que se reflectem na excelência dos seus tocadores em termos de técnica, maturidade musical e desempenho.

 

É com base neste paradigma que o Tocá Rufar tem evoluído e reafirmado a sua missão de preservar a percussão tradicional portuguesa enquanto fonte de identidade de uma nação. Neste âmbito, tem sido responsável pela revitalização desta arte, formando crianças, jovens e adultos, combatendo deste modo a tendência de extinção dos grupos tradicionais de bombos e imprimindo uma nova dinâmica a esta prática. Desde a sua fundação, o Tocá Rufar é líder no mercado em que opera e continua a investir no alargamento e dinamização desse mesmo mercado, dando apoio e colaborando com projectos emergentes análogos, a fim de prevenir o domínio de um mercado restrito e inactivo, passível de se esgotar. Após o surgimento da Orquestra Tocá Rufar fundaram-se aliás cerca de 50 orquestras à sua semelhança, confirmando esta vocação de preservação e dinamização cultural.

 

Áreas de actuação

 

Com vista ao cumprimento destes objectivos, o Tocá Rufar tem vindo a actuar em diversas áreas complementares que funcionam enquanto suporte educativo e cultural, sendo ferramentas para o cumprimento de uma missão sempre inacabada: a Formação, a Produção, os Espectáculos, o Teambuilding, a Loja do Ritmo e o Festival Portugal a Rufar. 

 

Formação

 

A Formação é uma área basilar do projecto que resume a implementação do ensino da percussão tradicional acessível a qualquer indivíduo. Neste âmbito, o Tocá Rufar formou uma Orquestra de Percussão aberta a todos os indivíduos, fruto de um investimento contínuo na formação musical gratuita de crianças, jovens e adultos. A Orquestra Tocá Rufar é uma orquestra de percussão tradicional portuguesa, com naipes de bombos, caixas de rufo e timbalões, capaz de interpretar um repertório de ritmos e temas originais quer em formato de desfile, quer em formato de palco. 

 

A Orquestra Tocá Rufar é pois a embaixadora deste projecto e o melhor exemplo de um ensino de excelência informal sem precedentes. Sob o lema “entrega-te, revela-te, supera-te”, o Tocá Rufar provê os seus alunos e tocadores – os rufinas - de uma nova e melhor perspectiva de si próprios e incute-lhes a responsabilidade de representar a cultura e identidade de um país, por isso são-lhes exigidas muitas horas de trabalho árduo, regras de educação e de conduta exemplares e uma apresentação e postura rigorosas com reflexos indiscutíveis na qualidade do seu trabalho.

 

Neste contexto, os rufinas têm participado em eventos internacionais e nacionais incontornáveis e tido acesso a oportunidades únicas de crescimento e aprendizagem, partilhando o palco com artistas como os Buraka Som Sistema, Jorge Palma, Paulo de Carvalho, Xutos e Pontapés ou Fafá de Belém e integrando novos projectos que apoiam a inovação e a concretização de propostas variadas.

 

O valor pedagógico e cultural do Projecto Tocá Rufar assenta também na formação de formadores e nas suas Oficinas de Percussão. O Tocá Rufar é mesmo responsável pela implementação do ensino da percussão tradicional portuguesa em escolas, tendo iniciado oficinas para crianças dos primeiro e segundo ciclos,complementando o Programa Nacional de Ensino. Reconhecendo a importância da integração das expressões tradicionais no Programa Nacional de Ensino, esta iniciativa vem ainda tentar colmatar a tendência de redução de horas dedicadas a estas expressões e recuperar tradições e valores que reforçam a nossa identidade, especialmente no universo infanto-juvenil, fundamental nesta preservação.

 

As Oficinas de Percussão Tocá Rufar têm como principal objectivo criar, estimular e desenvolver o gosto pela música, passando pelas principais áreas a que esta se encontra ligada: a teoria musical, a prática instrumental e a realização de espectáculos, privilegiando os ritmos tradicionais portugueses e os instrumentos de percussão de origem tradicional portuguesa. Pretende-se com estes três diferentes campos e trabalhando sempre em grupo, estimular em cada jovem o saber-ser, o saber-fazer e o saber-saber, de uma forma criativa e pedagógica que o mesmo aprende através da música e das percussões e transpõe para outros momentos do seu quotidiano.

 

Trata-se de uma iniciativa que se reveste de enorme importância, tendo neste momento seguidores por todo o país, com especial destaque para Braga, mas também em Abrantes, Beja, Bragança, Castelo Branco, Funchal, Lisboa, Tomar, Tondela, Viana do Castelo, entre outros.

 

Além da Orquestra Tocá Rufar e da Formação nas Escolas, o Tocá Rufar desenvolve ainda outras iniciativas no âmbito da formação, convidando Portugal inteiro a tocar bombo. É neste âmbito que foi lançado, por exemplo, o Saber de Cor, uma ferramenta de aprendizagem online gratuita que dá acesso a aulas de percussão tradidicional portuguesa. Esta é uma ferramenta livre que disponibiliza aulas online onde se ensina a técnica básica dos instrumentos bombo, caixa-de-rufo e timbalão e os temas da Orquestra Tocá Rufar. O Saber de Cor compreende vídeos ilustrativos do repertório bem como as partituras musicais correspondentes em formato pdf que poderão ser descarregadas gratuitamente.

 

Não será assim demais afirmar que, com um enorme reconhecimento a nível nacional e internacional, o Tocá Rufar tem provado o seu inegável valor educativo através da promoção do desenvolvimento do potencial artístico de centenas de pessoas, através da sua formação e de apresentações em inúmeros eventos, em parceria com instituições públicas e privadas, companhias profissionais, artistas, grupos comunitários, crianças com necessidades especiais e escolas da rede pública.

 

Todos os anos o Tocá Rufar ensina gratuitamente cerca de 500 alunos, trabalhando sempre para ampliar este número e chegar a um universo cada vez maior de alunos.

 

Festival Portugal a Rufar

 

Paralelamente, o Tocá Rufar tem sido organizador do maior festival de percussão português – o Portugal a Rufar, que reúne anualmente cerca de um milhar de bombos dos mais diversos pontos do mundo com o objectivo de juntar, num mesmo acontecimento, a percussão clássica, étnica, tradicional e contemporânea, unindo as dimensões académica e tradicional. Um festival ímpar que se caracteriza por juntar diversas comunidades de percussão e criar uma união de culturas, pessoas, ritmos.

 

Espectáculos e Teambuilding

 

De forma a prosseguir a sua missão de fazer chegar ao maior número de pessoas uma tradição tão nossa e desenvolver a sua prática, a Orquestra Tocá Rufar participa com actuações singulares nos mais diversos eventos de empresas, entidades públicas, instituições e outros organismos, sempre oferecendo o que de melhor se faz ao nível da percussão tradicional portuguesa, em momentos lúdicos e de aprendizagem, de partilha cultural e reforço de identidade.

 

As acções de teambuilding caracterizam-se por um maior envolvimento com os participantes, podendo descrever-se como oficinas personalizadas de formação que permitem aos participantes, através da aprendizagem das técnicas básicas de percussão, a constituição de uma orquestra, um dos melhores exemplos de trabalho em equipa. Incutem-se assimensinamentos de forma lúdica, com elevado valor técnico e resultados surpreendentes, ao mesmo tempo que se sensibilizam os participantes para esta arte.

 

Produção e Loja do Ritmo

 

O Tocá Rufar, tendo o papel de líder e uma experiência de mais de 16 anos, produz os seus próprios espectáculos, sendo também consultada para produzir outros eventos e espectáculos no âmbito da sua competência e enquadrados no reconhecimento da excelência do seu trabalho. Esta é mais uma prova de reconhecimento de todas as fases do projecto Tocá Rufar, com todas as suas implicações e etapas de concretização e o aferimento de uma expertiseímpar.

 

Ao mesmo tempo, o Tocá Rufar criou uma marca própria também para os instrumentos que utiliza e que pretende difundir por todos os lares portugueses, sendo a Loja do Ritmo que assegura a distribuição destes materiais que produz. De merchandising para complementar a sua participação em eventos e nas formações teambuilding, a produtos para adultos e crianças, o Tocá Rufar tem disponível instrumentos da percussão tradicional portuguesa, com especial destaque para o bombo, como iniciativa para fomentar o contacto dos portugueses com este património e reforçar esta identidade. É esta ambição de fazer chegar um bombo a cada lar que motiva a Loja do Ritmo. Pretende-se assim que este seja um importante contributo para o projecto “Aqui mora um bombo” que tem como objectivo que, em cada lar português, haja um bombo, revitalizando este instrumento e a sua valorização, ao mesmo tempo que se reforçam tradições e a nossa identidade.

 

 

O que queremos alcançar

 

A ADAT centra toda a sua actividade num modelo organizacional de intervenção sociocultural, regulado pela autonomia financeira e sustentabilidade, tendo como prioridade a continuidade da prossecução da sua missão, independentemente das circunstâncias externas que possam ameaçá-la. É pois um exemplo de resiliência, tendo já dado inúmeras provas daquelas que são as suas prioridades e da sua capacidade para mobilizar os recursos necessários para garantir esta continuidade, fundamentalmente através do empenho, dedicação, profissionalismo e ambição da sua equipa. 

 

São as actividades desenvolvidas pela equipa que preservam o projecto, havendo um esforço renovado de formação, tanto de alunos como dos próprios formadores, que permite, ano após ano, manter as soluções necessárias ao cumprimento da missão ADAT.

 

O Tocá Rufar ensina gratuitamente centenas de crianças, jovens e adultos todos os anos, verificando um registo que ultrapassa os 10 000 alunos, tendo já tocado a vida de mais de 20 000 indivíduos. É mesmo nesta incontornável e importante dimensão social, proporcionando encontros, integração, envolvimento, aprendizagem, liberdade e oportunidades aos seus alunos, que reside a força de um projecto que se renova diariamente nesta convicção.

 

A razão pela qual lançamos agora uma campanha de angariação de fundos prende-se com a necessidade de reconstruirmos a sede Tocá Rufar que ficou destruída, em 2011, na sequência de um incêndio. Além da destruição completa das instalações, palco, instrumentos, figurinos, também grande parte do arquivo histórico Tocá Rufar desapareceu.

 

Este revés veio, além das dificuldades óbvias que tem acarretado, lesar principalmente os rufinas e a sua formação, uma vez que se perderam as bases de espectáculos com formatos próprios, teve que se limitar o número de tocadores da Orquestra a menos de 100 elementos e os ensaios passaram a ser conduzidos ao ar livre. Por outro lado, o Festival Portugal a Rufar teve que ser interrompido, ficando também condicionados os Teambuildings e Espectáculos, pela redução drástica de recursos e de capacidade de resposta aos pedidos.

 

O que se perdeu com a sede foi um espaço de formação de excelência e um dos palcos mais queridos do panorama nacional, o TamborQFala. Uma sala de espectáculos com um palco aberto para divulgação de projectos de qualidade e inovação em Portugal, que abriu as suas portas aos nomes mais conceituados da música nacional, dando a oportunidade aos alunos Tocá Rufar de crescerem musicalmente, trocando experiências e tendo acesso a encontros que, de outra forma, não teriam. Este palco servia também para os ensaios da Orquestra, tendo condições excepcionais para a sua formação e apresentações públicas. É neste contexto que podemos afirmar que o TamborQFala foi fundamental para a qualidade técnica e maturidade musical dos tocadores Tocá Rufar, criando dinâmicas que geram aprendizagens e reforçam a sua cultura musical. 

 

Naturalmente, o projecto Tocá Rufar não se esgota na sua sede, superiorizando-se excepcionalmente às adversidades através da energia e vontade da sua equipa que garante a continuidade dos seus objectivos, como o comprovam os últimos anos de trabalho em que o projecto se tem adaptado a novas circunstâncias sem perder qualidade e autenticidade. Esta é, aliás, a convicção Tocá Rufar, a convicção de que o modelo que lhe confere identidade é um modelo de superação e independência.

 

Não obstante esta convicção, e apesar da continuidade do projecto estar assegurada, acreditamos que a recuperação de uma sede vai permitir recuperar condições para uma consolidação e crescimento do projecto Tocá Rufar que, de outra forma, não seriam possíveis. Este crescimento tem como foco principal, por ser a base de todo o projecto e da prossecução dos seus objectivos, a formação.

 

Recuperar um espaço de ensino, para ensaios e espectáculos, vai contribuir para o reforço necessário do modelo de ensino Tocá Rufar. Trata-se de um modelo de ensino informal sem precedentes que veio complementar a oferta formal e trazer ao ensino dos instrumentos tradicionais portugueses um novo ânimo e uma qualidade ímpares. Este reconhecimento por diversas instituições e músicos da qualidade do ensino Tocá Rufar e da excelência dos tocadores em termos de técnica e maturidade musical, existe graças ao enorme envolvimento técnico que o Tocá Rufar consegue incutir aos seus alunos. É pois necessário agora, formalizar este reconhecimento, certificando a aprendizagem musical destes tocadores, o que só é possível formando uma academia que eleve os instrumentos tradicionais portugueses e a aprendizagem da sua técnica ao mais alto nível técnico e cultural. A sede seria assim esta academia, uma escola em funcionamento permanente, um espaço de aprendizagem contínua e de qualidade ímpares.

 

Ao mesmo tempo, a recuperação de um espaço para espectáculos, vai reforçar esta aprendizagem criando dinâmicas exigentes entre tocadores e artistas de outros âmbitos, sendo por isso palco de oportunidades de formação e consolidação da cultura musical dos tocadores. 

 

No panorama nacional, identificamos uma carência evidente que podemos e que sentimos ter o dever de colmatar: a fundação de uma escola formal que se baseie neste paradigma, num modelo de ensino da percussão tradicional portuguesa, num modelo de formação artística e cultural para a afirmação e promoção desta arte, tornando-a acessível a todos os indivíduos. Reivindicamos assim o direito de evolução do projecto para uma escola de música sem semelhante, uma escola gratuita e acessível a todas as pessoas, uma escola com uma vocação social, educativa e cultural únicas.

 

A reconstrução da sede reveste-se assim de uma importância vital no reforço de uma missão socio-cultural que promove, antes de mais, o desenvolvimento pessoal e social das crianças, jovens e adultos que envolve. Porque falar de Tocá a Rufar é falar de pessoas e da influência positiva que tem naquelas que abraçam o projecto e que sempre nos deram a motivação para continuar o bom trabalho. Estas pessoas são mesmo o alicerce do projecto e a força de um modelo assim auto-sustentável pela exigência no trabalho, pela formação e pela dedicação e alegria que resultam numa qualidade ímpar e numa admiração e reconhecimento públicos inegáveis.

 

Esta campanha de angariação de fundos aposta na reconstrução de um espaço que permitirá uma melhoria do nosso projecto, com uma ampliação da sua capacidade de acção e do reforço de um compromisso transversal a todos nós. É pois com esta expectativa que lançamos uma estratégia de angariação de fundos que se concentrará em esforços institucionais e voluntários, e que acreditamos que terá um forte apoio da sociedade e instituições que reconhecem no Projecto Tocá Rufar o enorme valor e potencial que o caracteriza.





VER VÍDEO DE APRESENTAÇÃO