Toca Rufar - Projecto de Percussão | GRUPO DE BOMBOS REGIONAL DE S.SIMÃO OS COMPLETOS AMARANTE

Toca Rufar - Projecto de Percussão

GRUPO DE BOMBOS REGIONAL DE S.SIMÃO OS COMPLETOS AMARANTE

HISTORIAL GRUPO DE BOMBOS REGIONAL DE S.SIMÃO OS COMPLETOS AMARANTE.

           

O grupo de bombos regional de simão fundado em 1935 por Alexandre da silva que começou com uma caixa e um bombo que ele próprio fez os instrumentos que ainda namorava com maria da conceição Cardoso que ela mesmo dizia que Alexandre da silva antes queria os bombos que namorar mas adiante, ele começou por fazer a festa da aldeia, que era a padroeira nossa senhora do campo com a caixa que fez e o bombo arranjou outro colega para pegar no bombo, e começaram a correr a freguesia, porque já se usava fazer o peditório para arranjar fundos para a festa que até disse ele que correu muito bem.

Com tudo ele viu que fez sucesso tratou logo de fazer mais instrumentos mais duas caixas e dois bombos, e nisto também pensou arranjar mais pessoal e tratar de fazer uns ensaios que eram sempre ao fim de semana porque antigamente não havia cafés, e então o pessoal gostavam de tocar bombos, com tudo Alexandre da silva começou a andar falado na boca do povo, e até muito bem ganhou mais uma vez sucesso arranjou duas festas, então Alexandre da silva tratou de levar os homens ao alfaiate para fazer umas fardas, mas como as festas normalmente são sempre no verão foi também á feira comprar um chapéus de palha para a farda ficar completa.

Alexandre da silva ia com o seu grupo de bombos para as festas e romarias mais o pessoal dele a pé com os instrumentos sobre as costas chegavam a fazer 30 quilómetros para cada lado, isto fora os que faziam na freguesia a percorrer o peditório para a festa, mesmo assim quando regressavam a casa alguns dos tocadores ainda faziam mais quilómetros para regressar as suas famílias, com tudo isto ele achou que o grupo ainda não estava completo tentou arranjar um homem de concertina isto já nos anos 50 porque primeiro cantavam com os bombos para uma musica mais suave, porque como sabemos os bombos são um bocadinho, barulhentos mas também viu que só a concertina não chegava faltava ali algo de mais animador, tratou de fazer uns bonecos que os homens metiam-se dentro deles e dançavam com a musica, que deu-lhe o nome de gigantones, que ainda hoje existe no grupo de bombos.

 

     Com o passar do tempo António Carlos Cardoso da silva filho de Alexandre da silva começou a dar os primeiros passos com o pai para aprender a dirigir o grupo de bombos, como se arranjava as festas e a organizar o grupo, com muito gosto e dedicação, tentou com o pai fazer mais instrumentos, e até conseguiu arranjar um tocador de gaita-de-foles isto já nos anos 7O porque realmente ficava mesmo bem, também já havia transporte para o grupo um mini autocarro com o porta bagagens em cima do autocarro que até um certo dia ao ir fazer a festa para a Afurada vila nova de gaia, um bombo ao ser mal amarrado na ponte arrábida cai ao rio douro mas o problema foi resolvido e o bombo ainda fez muito barulho nesse dia.

Mais tarde alguns anos passados Renato Silva filho de António Carlos Cardoso silva e neto de Alexandre da silva começou a dar os primeiros passos no toque dos bombos e caixas isto nos anos 80 que o grupo de bombos já era constituído por 5 bombos 5 caixas 2 concertinas 2 acordiãos e uma gaita-de-foles e respetivo estandarte do grupo, as festas cada vez eram mais, e tinha que se aumentar o pessoal e fazer mais ensaios porque havia muitos concelhos, a gostar do grupo de bombos de s. Simão os completos que este nome veio porque um tocador nunca vinha fardado em condições, ou não trazia cinto outrora vinha de ténis ou esquecia-se do chapéu até que um dia veio em condições ai nasceu o nome de completos mas adiante conhecia-se muitas terras, caldas da rainha, paredes de coura, ponte de lima etc...   

Nos anos 90 Alexandre da silva partiu devido a doença, que deixa muitas saudades António silva fica como diretor do grupo para continuar a geração e ir mais longe para festas e romarias e, que fez mais bombos e mais caixas e arranjou mais uma gaita-de-foles.

 O grupo continuava a percorrer o nosso Portugal de norte a sul e até o estrangeiro, cidades portuguesas Portalegre, mealhada, Abrantes, seixal, lisboa, Aveiro, porto, maia, arcos de Valdevez, paredes de coura, ponte da barca, santo tirso, chaves, estrangeiro Salamanca e Verin. Mais tarde infelizmente António silva partiu devido a um derrame cerebral e a fazer o que mais gostava a tocar caixa numa festa da freguesia santa marta de Portuzelo concelho de Viana do castelo. 

Com tudo eu Renato silva filho de António silva e neto de Alexandre da silva dei continuação ao grupo aonde vou as mesmas festas já com os elementos 7 caixas 7 bombos 3 concertinas e 3 gaitas de foles mais os respetivos gigantones e cabeçudos, para orçamento de festas é como o grupo se apresentar quantos mais elementos, sai o preço mais elevado mas normalmente é sempre constituído com 4 bombos 4 caixas 2 concertinas e 2 gaitas de foles, e varia o preço na deslocação e na alimentação é uma coisa a combinar com isto não tenho mais nada a dizer simplesmente viva aos bombos de AMARANTE.        

                                                         

Responsável

Renato Silva

Email

renatobombos@hotmail.com